Freezing leopard

4 Mar

???????????????????????????????Nos últimos dias o frio decidiu fazer jus ao nome e o vento, com ares de neve, obrigou-me a recordar que por mais que a minha cabeça já ande na estação das flores, ainda é inverno. É óbvio que se algum habitante de qualquer outro país da Europa, excluindo talvez os gregos e os sulistas de Espanha, ler que por aqui faz frio é bem capaz de pensar “esta não sabe o que é frio a sério”. Pois, é verdade (apesar de eu saber o que é frio com “f” maiúsculo). Sou forçada a admitir que embora seja uma friorenta do pior, em questões climáticas, não há melhor que Portugal. Somos europeus que somos, mas a maior parte dos nossos dias está longe de ser um típico dia europeu com neve e frio insuportáveis: o sol por aqui é rei, as temperaturas raramente andam no negativo, e podemos ir à praia – nem que seja só para ver o mar – sempre que nos apetecer.

Seja lá como for, certo é que neste dia estava um frio de rachar. Por isso, e porque acredito que os dias cinzentos não têm necessariamente que o ser, decidi apostar num mix inusitado: leopardo, azulão e uma pitada de barroco (com o casaco que também já tinha usado aqui). Haverá quem goste, haverá quem ache um tanto excêntrico demais, mas dificilmente deixará de arrancar uma reacção. Porque para mim a vossa opinião conta digam de vossa justiça: Yay or nay????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????Casaco leopardo: Morgan de Toi; Casaco: Stradivarius; Calças: Stradivarius; Botas: Zara; Brincos: Parfois.

Domingos perfeitos

3 Mar

Pouco importa se lá fora está nublado. Aqui, por entre livros revistas e séries, o dia desenrola-se numa preguiçosa perfeição com sabor a chocolate. 

Cindy Crawford @ C&A

1 Mar

Ontem, pela primeira vez, vi na televisão a publicidade à nova colecção da Cindy Crawford para a C&A. Estava já ensonada, com as pálpebras a serem empurradas por essa força da natureza que é o sono, e por instantes pensei estar a delirar. Quer dizer era a Cindy Crawford. Não era uma garota, uma modelo qualquer, mais uma cara laroca dessas que nos entram sala adentro todos as noites. Não. Era a Cindy Crawford, uma das (ex) modelos de que mais gosto. Na televisão, num anúncio da C&A. Aquilo soava-me a inacreditável. Mea culpa, admito. Tenho uma implicância crónica com a C&A. Não digo que nunca lá comprei nada, estaria a mentir se o afirmasse, muito menos que por lá não há coisas giras. Apenas é uma loja que habitualmente passo. Parece-me sempre tudo muito engraçado na montra, mas acabo quase sempre desiludida depois de ver as peças ao perto. Todos temos lojas com as quais não nos identificamos, não é?

Seja como for, qual tira-teimas, liguei o computador e fui ao site da marca. E a verdade é que a notícia não só se confirma, como parece já ter havido uma outra colecção dela. Foi nesta altura que, além de me ter penitenciado mentalmente com uns bofetões jeitosos, me perguntei o quão distraída, ou cega, andaria para não ter dado por nada. Só pude concluir que a minha bela ideia de excluir a loja da minha ronda habitual ao shopping afinal não é assim uma ideia tão boa . Já devia ter aprendido que se pode encontrar uma peça fantástica em qualquer lado. Mesmo em sítios que, à partida, passaríamos.

Enfim, isto tudo para dizer que quanto a vocês não sei. Mas eu cá, impulsionada que estou pela curiosa veia latejante que habita em mim, não passo sem lá ir espreitar e ver tudo com os meus próprios olhos.

The Queen: Kate Moss

1 Mar

kateGosto da Kate Moss. Sempre gostei. Ao longo dos anos, lendo entrevistas que dava aqui e ali, passei também a admirá-la. Não porque a ache especialmente bonita ou um mulherão. Mas porque sempre demonstrou uma postura correcta a nível profissional. Sempre se (re)ergueu independentemente da dimensão do escândalo em que estivesse envolvida, traçando uma linha marcada entre o que era trabalho e o que era a sua vida pessoal. Prova disso é o sucesso inquestionável e o protagonismo que adquiriu numa indústria instável, onde é preciso muito mais que uma cara bonita e um bom par de pernas para se chegar ao topo.

Por isso, ou porque a capa de Dezembro de 2001 da Vogue UK sempre foi uma das minhas preferidas, não pude deixar de votar para que fosse eleita a melhor capa de revista do século. A votação está aberta aqui e na corrida estão outras nove capas maravilhosas.

Empatia

28 Feb

Há uns dias descobri, nesta imensidão que é a blogosfera, um daqueles blogs a que apetece voltar. A verdade é que blogs há muitos, mas são poucos aqueles de que gostamos mesmo e a sério. Eu gosto deste, e muito.

Pormenores, pormenores

27 Feb

Uma das coisas que mais me enerva nos homens em geral, e no meu em particular, é a sua incapacidade para reproduzir diálogos ou acontecimentos com os devidos pormenores. Sempre que o meu namorado me diz que encontrou alguém, ou que alguém lhe disse alguma coisa, fá-lo de uma forma sintetizada. Eu bem o questiono, tento arrancar os pormenores, pergunto o que a pessoa disse e como o disse (às vezes o tom com que se diz é tão ou mais importante do que aquilo que foi dito). Mas ele faz sempre aquele ar de quem está num interrogatório da polícia judiciária, e insiste numa versão redutora dos factos. Ao fim de uns minutos já se está a contradizer (segundo ele sente-se pressionado por eu fazer a mesma pergunta de cinquenta maneiras diferentes) e eu fico ali, a revirar os olhos de irritação e com a certeza de uma história incompleta. Depois, por acaso ou já noutra conversa, apanho-o a referir um pormenor sobre, por exemplo, a dita pessoa que encontrou. E nessas alturas, desce em mim um Poirot, e pergunto-lhe ironicamente porque é que ele não me contou aquilo antes. Ele faz ar de quem namora com uma louca. Eu fico possessa por ele não valorizar os detalhes. 

Alerta amarelo!

27 Feb

amarelo-page-001Numa primavera que se espera minimalista, há uma cor que promete trazer alegria aos nossos dias: o amarelo. Muitos foram os desfiles que colocaram em evidência o controverso tom garrido, cor do sol, elevando-o ao estatuto de must-have da estação. Desde Michael Kors a Louis Vuitton, em look integral, ou em pequenos apontamentos, o amarelo parece querer chamar a si o protagonismo dos dias soalheiros. Para as fashionistas e apologistas de cores fortes a tendência é uma boa notícia, e não trará qualquer dificuldade quando a questão é como usar. Para as mais cinzentas, monocromáticas e amantes do bom velho trio preto, branco e bege que querem experimentar mas se sentem perdidas,  a palavra de ordem é arriscar. Um colar, uma pulseira ou uma mala podem representar o início de uma amizade duradoura com o tom dos girassóis. 

Rendemo-nos ao alerta amarelo?

desfileamarelo-page-001