Tag Archives: Cinema

Oscars 2013: Fan Bingbing

25 Feb

Poderia dizer mil coisas sobre este vestido Marchesa usado pela Fan Bingbing, mas a verdade é que tudo se resume a um gosto muito. Da cor – uma das minhas preferidas -, dos ares de princesa, do efeito drapeado no busto que o enche de graça. Isto para não falar dos brincos que são um sonho de lindos. Sim, adoro brincos grandes, irreverentes na sua elegância.

A clutch, essa, podemos esquecê-la? Achei-a um bocadinho tenebrosa e um tanto nada a ver com o conjunto. fan binbing

Advertisements

Oscars 2013: Sandra Bullock

25 Feb

Provavelmente sou suspeita para falar mas a verdade é que, para mim, o vestido da Sandra Bullock está entre os melhores da noite (se não for mesmo o melhor). É um Elie Saab e toda a gente sabe como eu amo de paixão as criações dele (lembram-se disto?). Mas não é por levar a sua assinatura que o adoro. Adoro-o porque murmura uma elegância genuína com a pitada certa de sensualidade. Adoro-o porque me deixou longos minutos a contemplá-lo e a sonhar, um dia, poder vestir um tão bonito.

Em poucas palavras:  um arraso de lindo.

sandra bullock

 

Oscars 2013: Alicia Vikander

25 Feb

Este é daqueles vestidos que me arrancam um “uau!” sincero e vão directamente para a pasta das inspirações. Apesar de não ser propriamente fã da cor em vestidos de gala, amei de paixão. Um reparo apenas para o cinto que era absolutamente dispensável. 

alice

Django Libertado

25 Jan
Ontem, com o pretexto de ir ver o mais recente filme de Quentin Tarantino, juntámos os amigos e rumámos ao cinema. Apesar de não levar expectativas muito altas, confesso que de todos os filmes que estão na corrida para os Óscares e que vi, este é de longe o melhor. É imprevisível – a cena seguinte surpreende-nos sempre -, ao mesmo tempo que é sério, violento e repleto de humor. O enredo é fantástico, a interpretação dos actores magnífica, e um tema tão pesado como a escravidão é abordado de forma bem interessante.
Se ainda não viram, vejam. Vale mesmo muito, muito a pena. Adorei.

 

Silver Linings Playbook

20 Jan
silver linings playbookOu Guia para um final feliz.

De vez em quando lá aparecem filmes destes. Cheios de vida. De sentimentos, indecisões, loucuras. A verdade é que é fácil identificarmo-nos com a história. Sobretudo porque, em algum momento da vida, toda a gente já empancou na ideia de que a felicidade está em determinada pessoa. Às vezes, é preciso tirar as palas e olhar para os lados. O destino adora chamar a si o apanágio de surpreender, não vale a pena fazermo-nos de difíceis. E durante o filme acabamos por nos aperceber disso mesmo. A velha máxima de que “há males que vêm por bem” até faz algum sentido. 
A verdade? Gostei muito. Romantismo, diálogos inteligentes, uma pitada de humor “sad-comic” e outra de loucura. É claro que se pudesse substituía o Bradley Cooper pelo Ryan Gosling, mas isso prende-se com a implicância pessoal que tenho com o Bradley. Ainda assim, sou forçada a admitir, ele está mesmo muito bem no filme. Quanto à Jennifer Lawrence, adorei a interpretação (e o penteado que, não sendo nada de outro mundo, a deixa ainda mais gira). Não sei se é filme para Óscar mas, dentro do género, vale bem a pena. 
 

 

Life of Pi

3 Jan
Life-of-Pi1Ainda em 2012 fui ao cinema ver “A vida de Pi”. O trailer tinha-me despertado a curiosidade, tamanha a beleza da fotografia. Animais exoticamente perfeitos, uma questão de fé e claro, a Índia. Um país que exerce sobre mim um fascínio imenso. O filme não me desiludiu. É muito bonito. Deslumbrante até, atrevo-me a dizer. A história, num primeiro olhar, não vai muito além da fábula que reúne um garoto, náufrago, e um tigre à deriva no oceano Pacífico. Mas, e porque nestas coisas há sempre um mas, o filme é muito mais do que isso. É uma experiência visual mágica, com uma pitada de humor a envolver o próprio nome de Pi – Piscine na verdade -e a procura incessante da fé por entre três religiões diferentes.
A somar, se pensarmos que o tigre é criado em computador, a interpretação do actor principal é brilhante. Afinal, contracenar com o nada no meio de um tanque de água não é para qualquer um, concordam?
Se ainda não viram façam o favor de ver. Porque às vezes sabe bem deixarmo-nos deslumbrar. 

Anna Karenina

10 Dec
Anna_Karenina_Keir_2419226bHá alguns anos andava eu na casa dos dezoito, talvez dezanove, li o Anna Karenina do Tolstoi. Foi o meu primeiro livro de um escritor russo e isso fez dele especial. Isso entre muitas outras coisas, é certo. Sempre gostei de histórias de amor com uma pitada de tragédia pelo meio. O amor louco, sem medos, que quebra todas as barreiras, convenções, morais, que se garante a si próprio, sempre me fascinou. Pelo menos nos livros. Na vida real as coisas são um bocadinho diferentes. Afinal, deixar um filho por um amor que se revela apenas carnal tem muito pouco de fascinante na vida a sério.
Seja como for, quando a adaptação cinematográfica surgiu, com a Keira Knightley como personagem principal, fiquei em pulgas. Já sabem que a adoro, não é? Quinta feira não resisti e fui vê-lo. O filme está bastante interessante, e é curiosa a visão – um tanto arriscada mas ainda assim extremamente genuína – da sociedade russa como um enorme teatro onde todos, e cada um, têm o seu papel rigidamente definido. Onde cada um se limita a agir como é suposto, como deve ser.
A interpretação da Keira está excelente e o guarda-roupa, esse, é divinal. Muitos veludos, muitos brocados, muitos casacos militares, muitos pêlos de combate ao frio, muitos colares imponentes a fazer lembrar a trisavó com sangue de czarina, muitos apontamentos dourados… Muito Rússia, absolutamente. É fácil identificarmos muitas tendências desta estação, e isso, pessoalmente, fascina-me. Aliás, a Rússia fascina-me.
Não vou adiantar muito mais porque isso seria estragar-vos o filme. Mas posso dizer que vale a pena. Apesar de achar que poderia estar melhor, que os diálogos poderiam estar construídos de uma forma mais estruturada e conforme, entre outras coisas. Ainda assim, e se tiverem oportunidade não deixem também de ler o livro. Quanto a mim, fiquei com vontade de o reler.